Para onde viajar para servir em missões?

CampoGrande_Transcultural 137

Depois da minha conversão, meu desejo de ser missionária crescia a cada dia. Essa ideia era um sonho e comecei a buscar caminhos para essa possibilidade. Me converti nos Estados Unidos mas, logo depois disso, voltei a morar no Brasil. A denominação que Deus me direcionou para congregar tem tradição em enviar missionários para o mundo todo, mas como mais uma mera desconhecida, não seria tão simples assim. Para seguir o protocolo, eu ainda teria que passar pela escola pessoal de Jesus. Depois disso, precisava ser reconhecida na congregação a qual fazia parte e contar com a autorização das autoridades para ter a chance de seguir viagem como missionária enviada pela denominação.

 

Como a maioria dos cristãos que possuem o chamado missionário, eu pensava que Deus iria me preparar para as viagens usando recursos financeiros e físicos da igreja, sendo assim, enviada como um de seus missionários. Entretanto, para que isso aconteça há um longo caminho cheio de dificuldades, principalmente, se você não é um nome reconhecido pelos responsáveis pela igreja ou pelo departamento de missões, especialmente, em ministérios muito grandes onde, geralmente, só os membros tradicionais são reconhecidos.

 

Claro que o Senhor te segura em terra firme até que sua preparação esteja completa, e depois Ele mesmo nos abre as portas sem a necessidade da ajuda de ninguém influente. A verdade é que não devemos depositar nossas esperanças em homens, pois muitos podem lhe fechar as portas, especialmente, se reconhecerem a obra de Deus na sua vida. Quem se responsabiliza para te enviar é o próprio Deus e Ele, muitas vezes, usa meios inusitados para concluir o desejo de Seu próprio coração em nossa vida.

 

 

Jocum – Jovens com uma missão

A minha preparação começou pela agência missionária Jocum. Descobri essa organização missionária através de uma aluna evangélica que comentou que tinha o sonho de fazer um curso preparatório para exercer seu chamado através das escolas  oferecidas por eles. A partir dessa sugestão busquei informações e creio que cerca de dois anos após esse comentário eu começava a fazer a escola de missões transculturais.

 

A escola abriu meu entendimento para missões e meus horizontes. Esse período de preparação nela tudo foi do jeito que eu sonhava. Nesse período, eu tive aulas com professores experientes no assunto que transmitiam uma experiência mais enriquecedora e impactante do que outra. Foi todo um semestre passando as tardes de sábado aprendendo sobre o campo missionário. Ao final, tivemos a parte prática quando viajamos num feriado e ficamos alojados na tribo indígena terena, localizado aos arredores de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

 

 

Servindo na tribo indígena Terena

Tive muitos impedimentos para de fato conseguir fazer a viagem, mas o Senhor me honrou. No dia do encontro quase perdi a viagem, pois a pessoa que havia combinado de me levar com as malas até o ponto de partida, voltou atrás e desistiu bem na hora, se negando, literalmente, a me levar. A outra pessoa mais próxima que poderia me ajudar, com muita raiva, me pagou o táxi até o local, pois eu não tinha dinheiro disponível para ir de táxi até o local. De ônibus circular, já não teria tempo suficiente para chegar e perderia o ônibus fretado para a viagem. Mas como os planos soberanos de Deus são imutáveis e eu estava lutando para fazer a minha parte, cheguei a tempo e o grupo que seguiu de ônibus por horas a fio até essa região era uma benção. Nos divertimos, compartilhamos experiências e levamos o evangelho servindo essa comunidade com doações e diversos tipos de trabalhos, enquanto estivemos por lá.

 

O ápice da viagem se deu quando conheci a indígena mais idosa da tribo e a primeira a ser evangelizada no local. Segundo relatos, ao lado de alguns missionários, ela conduziu a pregação do evangelho na tribo e o grupo de salvos em Cristo cresceu no local. No culto da congregação tribal louvamos a Deus com louvores cantados na língua indígena e, ao final, eles apresentaram suas danças tradicionais que louvavam ao Senhor.

 

Essa foi minha primeira experiência missionária e ela ficou marcada no meu coração, além de ser um marco de início da minha caminhada em missões. No final desse mesmo ano, o Senhor meu abriu as portas para sua obra missionária de tal maneira e Ele começava a cumpriu a promessa de que iria me enviar aos quatro cantos da Terra para pregar o evangelho a toda criatura servindo meu próximo.

 

CampoGrande_Transcultural 146

Prepare-se para decolar

A partir dessa postagem, começaremos uma série contando sobre a organização internacional de missões, Jocum – Jovens com uma missão – que poderá ser uma das milhares de agências missionárias que poderá te ajudar na caminhada em missões. e os Acompanhe e aprenda os possíveis caminhos práticos se lançar mundo afora com Jesus. Acompanhe as próximas postagens.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s